Vereador é acusado de chefiar esquema de desvio de recursos em Foz do Iguaçu

Dr. Brito ganhou repercussão na cidade após apresentar a versão municipal do "Escola sem partido"




FonteAPP Sindicato

Dr. Brito é acusado de ser o líder de organização criminosa. Foto: Comunicação CMFI

A Polícia Federal realizou na manhã desta terça-feira (16), em Foz do Iguaçu (PR), a oitava fase da Operação Pecúlio, batizada de “Renitência”. A ação investiga esquema de desvios de recursos públicos na área de saúde. São seis mandados de prisão (três temporárias e três preventivas). Também há 12 mandados de busca e apreensão.

Entre as prisões preventivas está a do vereador Dr. Brito (PEN/Patriota), apontado como o líder da organização. O parlamentar é o autor da versão municipal do programa Escola sem Partido e também do projeto que proíbe medidas educativas com base no termo “ideologia de gênero”.

Brito é conhecido na cidade por seu posicionamento conservador, autoproclamado defensor da “família” e da “moralidade”. Ele assumiu o mandato como suplente, após o titular da vaga ser cassado pela Câmara de Vereadores por conta de envolvimento nas denúncias apuradas pela quinta fase da Operação Pecúlio.

Conforme a Polícia Federal, as investigações apontam para a existência de esquema de desvios de recursos, por meio do direcionamento das contratações de serviços na área da saúde em Foz.

“As investigações, realizadas em conjunto com o Ministério Público Federal/Foz do Iguaçu, apontam que tal organização seria capitaneada por um dos vereadores da atual legislatura da Câmara Municipal de Foz do Iguaçu (PR), e contaria com pelo menos um servidor da Fundação Municipal da Saúde que estaria agindo de forma a direcionar contratações públicas”, diz a nota da Polícia Federal.

Por meio da assessoria, a Câmara de Vereadores emitiu o seguinte comunicado: “Segue nota retorno sobre o cumprimento de mandado de busca e apreensão no gabinete do vereador Dr. Brito (Patriota), na manhã desta terça-feira, dia 16. A busca foi realizada antes do início do expediente e acompanhada por um funcionário da portaria. Portanto, a diretoria da Câmara está tomando conhecimento dos fatos e irá, em momento oportuno, tomar as medidas cabíveis”.